Páginas

24 de março de 2011

O Sistema de Cotas para Negros no Brasil


O inegável preconceito racial contra os negros é sem dúvida um grande problema que a sociedade brasileira vem enfrentando desde antes de sua consolidação como Estado Burguês “independente”. Não são de difícil compreensão os motivos desse fato, já que por muitos anos a classe produtora das riquezas materiais brasileiras foi ocupada quase que totalmente pelos negros, ou seja, a classe escrava. Quando então findara legalmente a escravidão no Brasil, em 1888, trocava-se um problema por outro de mesma dimensão, milhões de negros foram condenados a continuar ocupando as classes mais exploradas do Brasil, pois não havia perspectiva real de melhoras nas condições de trabalho dessas pessoas, a não ser continuar trabalhando para os mesmos patrões. Muitos continuaram em situação igual à encontrada antes de 1888, alguns partiam para os quilombos que surgiram antes da lei áurea, e uma parte ínfima conseguia sobreviver de trabalhos diversos, além daqueles que viraram mendigos. A idéia de trabalho forçado, trabalho duro, continuaria então sendo um fator visto culturalmente como ruim, associado à classe escrava, e conseqüentemente aos negros que compunham essa classe, atuando então como o ponto de partida para diversas manifestações de preconceito racial. Poderíamos nos aprofundar nessa questão, mas esse não é o foco do documento.

O fato é que devido a esses fatores da formação histórica do Brasil, mais de 80% das pessoas que compõem as classes exploradas no país são negras e isso influencia diretamente